29 de jun de 2015

Pro Rege

"Ao Rei dos reis, de um coração humilde..." Assim começa uma oração do teólogo, estadista e jornalista holandês, Abraham Kuyper, na qual ele se comprometia a fazer o bem, pelo Rei dos reis. Mas o que há de tão especial nisso? Tantos outros disseram isso através da história. Com certeza, mas o que me chamou a atenção é que essa é uma oração escrita por Kuyper quando ele tinha apenas 11 anos. A carta/oração toda é muito interessante, pois retrata o sincero arrependimento de algo que ele fez, e um comprometimento com Deus em fazer o bem daquele momento em diante.
Esse é o começo do homem que depois diria:

"Um desejo tem sido a paixão predominante da minha vida. Uma grande motivação tem agido como uma espora sobre minha mente e alma. E, antes que seja tarde, devo cumprir este sagrado dever que é posto sobre mim, pois o fôlego da vida pode me faltar. O dever é este: Que apesar de toda oposição terrena, as santas ordenanças de Deus serão estabelecidas novamente no lar, na escola e no estado para o bem do povo; para esculpir, por assim dizer, na consciência da nação, as ordenanças do Senhor, para que a Bíblia e a Criação dêem testemunho, até a nação novamente render homenagens a Deus." (Citado na nota biográfica do livro Calvinismo, ECC)

Em um mundo em que cada vez mais a influência cristã parece diminuir e as doutrinas tradicionais são atacadas por fora como retrógadas, além de serem implodidas pelo relativismo moral e teológico de muitos dos "expoentes" do Cristianismo, é necessário que olhemos para Aquele que é o Autor e Consumador da nossa fé, e nos inspiremos naqueles que antes de nós encararam os grandes desafios de seu tempo.    

E um grande exemplo para mim continua sendo esse mesmo Kuyper, ainda hoje, quase um século depois de sua morte, é chamado de o maior estadista holandês. (leia mais sobre Kuyper aqui)

E o seu pensamento continua vivo. Veja o que diz Roel Kuiper, senador holandês, que é um dos membros fundadores de seu partido, ChristenUnie (União Cristã), e seu principal pensador além de ser profundamente inspirado por Abraham Kuyper, e é o novo reitor da maior universidade teológica da Holanda no seu livro Dienstbare Politiek (Política Servil ou Serva):

"Essa tradição de pensamento (n.t. a tradição de Groen van Prinsterer e Kuyper) entrou em minha vida quando, aos 17 anos, peguei alguns livros antigos da estante da nossa igreja. Pude levá-los comigo para casa. Eram os três volumes de Pro Rege, de Abraham Kuyper. Ainda hoje me pertencem. Pro Rege significa 'para o Rei'. E o Rei é Cristo. Não li muito deles na época, mas fiquei impressionado com a mensagem que vinha do título. Cristãos estão a serviço de um Rei. E esse Rei governa o mundo. Esse fato abre uma perspectiva grandiosa e rica e nos faz visualizar o papel que se pode ter nisso. Pois o 'Pro' é a meu respeito. Percebi que acomodar-se numa vida preguiçosa e abandonar o mundo a si mesmo simplesmente não é possível."  

Isso não significa que cada um de nós precise ser teólogo e/ou político. Mas entendo que o Reino é construído por aqueles que não fogem de sua responsabilidade. Aqueles que sabem que, se é verdade que Cristo reina, então devemos mostrar esse reinado, não por força ou violência, mas servindo com excelência naquilo que somos vocacionados por Deus, onde quer que Ele nos envie.

Sim, isso significa viver na contramão do mundo. E isso me lembra mais um episódio da vida de Kuyper. Durante sua vida, principalmente política, ele foi ridicularizado e atacado de todas as formas, a ponto de diversas vezes sair da Holanda por períodos prolongados. Um cartunista, por exemplo, Albert Hahn, fez mais de 450 charges de crítica a Kuyper. E isso foi apenas um chargista, tinha diversos outros. Mas Kuyper, apesar de editor-chefe de 2 jornais (um diário e um semanal) nunca respondeu na mesma moeda. E até os encorajou quando quiseram fazer um livro das caricaturas dele pois dizia que seus filhos achavam graça. (veja a reação dele a respeito aqui)

Sim, significa viver de outra forma, com outras prioridades, outros alvos, outra ética, outros estudos, outros trabalhos, outra agenda que aqueles ao nosso redor. É viver de fato o "estar no mundo mas não ser do mundo".

Se queremos uma relevância cristã em países ocidentais hoje isso exigirá trabalho, estudo, sacrifício, devoção, compromisso, dedicação, oração, santificação, fé, esperança e amor.

Um outro exemplo de ação cristã no século presente é a ação do partido ChristenUnie na Holanda atualmente. O partido é bem pequeno em comparação com diversos partidos tanto da coalização que governa quanto da oposição. No entanto, com sua "oposição positiva" causam um impacto, tanto que em pesquisa recente foi demonstrado que em termos de trabalho e efetividade o partido tem duas representantes entre os 3 melhores da Segunda Câmara (primeiro e terceiro lugar, veja aqui). Ou seja, é o partido que mais tem seus projetos e suas emendas aprovadas, por trabalho efetivo, apoio e oposição equilibrados, e assim tornando-se cada vez mais um exemplo no cenário político.
 
Certamente não é fácil, mas Deus não nos prometeu vida fácil e sim que estaria conosco, até a consumação do século.